Portal Alcanede - Ao serviço da Comunidade

Hoje é o dia 14 de Fevereiro, comercialmente conotado como o dia de São Valentim, não é celebrado pela Igreja Católica como tal, pois os Santos são outros, basta consultar o Verdadeiro Almanaque Borda D`Água. Contudo, é bom que se fale de amor, muito melhor do que o aumento da violência entre os jovens namorados.

Modificado em terça, 10 abril 2012 01:20

Os polvos são moluscos marinhos da classe Cephalopoda e da ordem Octopoda, que significa "oito pés". Possuem oito braços com fortes ventosas dispostos à volta da boca. Dai até quererem ligar o molusco ao polémico caso face oculta é coisa que me aborrece profundamente, porque o raio do bicho não merece tamanha desconsideração.

Modificado em terça, 10 abril 2012 01:20

Há já mais de meia dúzia de anos, seguramente, encontrei um artigo num pequeno jornal publicado pela nossa Diocese (Santarém) que muito apreciei e até guardei, como usa dizer-se "religiosamente" !... Trata-se de um artigo que a meu entender, é de dar parabéns ao seu autor, o qual de momento não me lembro quem foi mas que é meritório...

Modificado em terça, 10 abril 2012 01:21

Nem sei bem como começar este desabafo, mas se o deixasse para mim corria o risco de achar que não estava a cumprir um dever cívico. Quis o destino que, por razões de saúde de familiares apanhasse, num só dia, várias arrelias, como se não bastasse o motivo pelo qual tive que me deslocar ao Posto de Saúde de Alcanede. A primeira coisa que constatei é que há médicos, mas não aparecem. Ou então sou aquilo a que posso chamar um azarado recorrente.

Modificado em terça, 10 abril 2012 01:25

Resolvi promover e apoiar esta petição (Repavimentação da EN 361 entre Alcanede e Alcanena) por considerar da mais elementar justiça dar expressão aos lamentos e queixas de centenas de cidadãos que se sentem lesados e esquecidos como que vivendo num mundo à parte dentro do seu próprio País.

Modificado em terça, 10 abril 2012 01:26

“A begilha” Todos os anos, no dia de São Sebastião, acontece em Mata do Rei um evento sui generis que atrai as pessoas que desejam participar, juntando-se na capela… e o ritual acontece.

Modificado em terça, 10 abril 2012 01:26

Um dialogo provável entre duas vizinhas, no lugar de Mata do Rei, há alguns anos.
«Ti Ana – É uma arrelia  ver aquele trafulha, anda à maçã do chão, não tem orelo, es trafunga tudo quanto ganha.
Ti Paula – Pois sim, o pai era um manca-mulas, ia à Nazaré comprar pexe aos praieiros, tinha orelo. A mãe olha-me de esguelha por causa do sapeiroso do filho, se adrego emprestar-lhe o dinheiro… ficava a pau de pirlas.

Ti Ana – E ele ralado, ia comprar frapela pro casamento, com aquele corpanzil, a que tem tá curta.

Modificado em terça, 10 abril 2012 01:27